Infraestrutura 5g O Futuro Da Força Mais Disruptiva Na Conectividade Sem Fio - Gestão De Serviços De TI | Deltime

Infraestrutura 5G: O futuro da força mais disruptiva na conectividade sem fio

Embora ainda esteja em estágio inicial, a infraestrutura 5G continua sendo a tecnologia mais disruptiva dos últimos anos.

Não é segredo que a infraestrutura 5G é a próxima grande evolução da conectividade sem fio. É a tecnologia mais disruptiva dos últimos dois anos e veio para impulsionar as redes sem fio em todo o mundo. 

A atualização para o 4G trouxe tecnologias nunca vistas antes, como aplicativos de streaming de música como o Spotify, streaming de vídeo como o YouTube e serviços como o Uber e Ifood, por exemplo. 

Em 2010, o 4G chegou ao mundo, e com isso veio a capacidade de assistir filmes, ouvir músicas e fazer compras no mundo inteiro através de telefones celulares. 

Se o 4G foi tão revolucionário, então a atualização para o 5G é uma revolução. Será a força motriz de tecnologias inovadoras, como carros autônomos e cirurgias remotas ou robóticas. 

A proliferação de conexões máquina a máquina e Internet das Coisas (IoT), aumento na demanda por serviços de banda larga móvel e aumento nas iniciativas do governo para cidades inteligentes nas regiões da Ásia e Pacífico são os principais fatores por trás o crescimento do mercado da infraestrutura 5G. Além disso, o desenvolvimento do mercado deve gerar uma lucratividade nunca vista antes para os participantes deste mercado nos próximos anos.

Infraestrutura 5G: Inovação Mais Disruptiva de 2019

Diversificação, Densificação, Virtualização

A infraestrutura 5G é a única inovação tecnológica que oferece essas três coisas em maior escala. Mais importante, estas três coisas diferenciam o 5G do 4G LTE de hoje. O objetivo da infraestrutura 5G é otimizar as redes para novos fluxos de receita, como IoT. 

O 4G LTE melhorou os recursos de voz sobre IP, aplicativos aprimorados e melhorou o acesso à Internet, que anteriormente não estavam disponíveis. No entanto, espera-se que a infraestrutura 5G dê um passo além e se expanda para novos fluxos de receita, além de melhorar o acesso geral dos usuários à redes sem fio.

Outra característica inovadora que vem com a infraestrutura 5G é a densificação, que é o aumento de pequenas células para aumentar a capacidade da rede. Com o 5G em mãos, as pessoas irão experimentar redes 10 vezes mais densas em relação aos últimos cinco anos. 

Esperava-se que o 4G LTE oferecesse uma maior densidade celular em seu início, mas o 5G oferecerá densidade e velocidade. O benefício mais esperado da infraestrutura 5G é a melhor virtualização para tornar a rede mais acessível, flexível e compatível com dispositivos conectados. Embora o 4G ofereça os melhores sistemas de software até agora e novos serviços para suportar mais dispositivos, estima-se que a infraestrutura 5G eleve isso a um outro patamar.

Confira Nossos Serviços

Corporações Construindo o Futuro da Conectividade

A demanda pela infraestrutura 5G e os incríveis benefícios oferecidos por essa tecnologia estimularam o investimento dos principais participantes do mercado. Empresas como a Samsung e a Qualcomm investiram uma enorme quantidade de dinheiro em atualizações de rede, como a instalação de novos equipamentos que suportariam larguras de banda de espectro, instalação de cabos de fibra ótica e, o mais importante, desenvolvimento de tecnologia de transmissão celular.

Há poucas empresas que podem competir com a Qualcomm no mercado de infraestrutura 5G. A empresa detém cerca de 15% das patentes mundiais de tecnologia 5G e é uma das maiores fabricantes de chips de smartphones do mundo. No ano passado, a Qualcomm foi a única empresa que fabricou antenas e modems 5G nos EUA. Além disso, o chip Snapdragon 855 que chegou ao mercado em dezembro de 2018 ainda é o padrão para um smartphone 5G.

Além da Qualcomm, a Nokia deve dominar o mundo da infraestrutura 5G. A Huawei é atualmente a maior fabricante mundial de infraestrutura 5G e reuniu contratos dessa tecnologia que valem cerca de US $ 100 bilhões; no entanto, o mundo ocidental baniu todos os contratos que foram feitos anteriormente. Assim, impulsionou as receitas da Nokia e da Ericsson. Na verdade, as ações da Nokia e da Ericsson dispararam após a proibição da Huawei. 

Em 2018, a Nokia fez mais de 20 contratos com várias operadoras de telecomunicações, como Vodafone, AT & T e Optus. Além disso, envolveu-se em mais de 100 testes separados de tecnologia 5G e lançou o serviço de Internet em casa baseado em 5G na Austrália.  

Os americanos usam quatro principais operadoras, incluindo AT & T (T), T-Mobile (TMUS), Verizon (VZ) e Sprint (S). Esses quatro possuem cerca de 98% dos US $ 260 bilhões por ano. Um desses quatro, a T-Mobile vem desenvolvendo uma ampla gama de iniciativas 5G que seriam reveladas em 2019, e que, inicialmente seriam limitadas a 30 cidades dos EUA. Além disso, a empresa optou por seguir o espectro 5G de banda baixa em vez do – chamou as tecnologias mmWave, que oferecem à empresa maior alcance de sinal em troca de alguma largura de banda. Na verdade, a T-Mobile é uma das poucas empresas de telecomunicações que concedem licenças para desenvolver tecnologias 5G na Áustria.

No geral, os participantes do mercado estão investindo uma enorme quantidade de dinheiro e tempo para oferecer a melhor infraestrutura 5G para suportar mais usuários em uma plataforma maior. 

Infraestrutura 5G no Brasil

Segundo matéria publicada em um dos portais de notícias tecnológicas mais importantes do Brasil, o portal Canaltech, em maio de 2019 a Anatel aprovou a liberação das faixas de frequência de 2,3 GHz e 3,5 GHz para implementação da tecnologia 5G no Brasil. 

Segundo a matéria, Leonardo de Morais, presidente da Anatel, disse que a destinação de ambas as faixas para o sistema é extremamente importante, pois dará mais opções para as operadoras que pretendem instalar as redes 5G no país.

Essa decisão mostra que a rede de 2,3 GHz irá contemplar a faixa de frequências entre 2300 MHz e 2400 MHz, enquanto a de 3,5 GHz irá contemplar as frequências entre 3300 MHz e 3600 MHz — 100 MHz a mais do que a proposta inicial, algo que foi conseguido após consulta pública que permitiu que a Anatel pudesse oferecer essa faixa maior de frequências para atender a demanda pelo serviço.

A faixa de 2,3 GHz é a mais usada pelos sistemas IMT (International Mobile Telecommunications) e a de 3,5 GHz é tida como a porta de entrada para as redes 5G de altíssimas velocidades.

Apesar da decisão, ainda deverá demorar um pouco para que as redes 5G sejam implementadas no Brasil, já que a elaboração do edital para a licitação deverá ocorrer apenas no primeiro trimestre de 2020, então é possível que apenas em meados de 2021 as primeiras operadoras comecem a trabalhar na instalação de suas redes 5G. 

É preciso lembrar: a infraestrutura 5G ainda está em seus estágios iniciais; no entanto, será disruptiva quando chegar ao mercado nos próximos anos.

Fonte do Artigo: Portal DZone

Ainda possui alguma dúvida? Que tal entrar em contato com a Deltime?

Somos uma Empresa de gestão de serviços de TI, especialistas no seu negócio e poderemos ajudá-lo.

Será um prazer conversar!

Acesse nosso Facebook: @deltime.info

Sucesso e até logo.

Assine nossa newsletter

Receba dicas valiosas para o seu negócio semanalmente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *